Saneamento e Meio Ambiente

Plano Diretor de Dispersão Submarina dos Esgotos da Guanabara

Foram realizados estudos e serviços com vistas ao problema do lançamento dos efluentes sanitários do Rio de Janeiro, compreendendo todos os trabalhos de consultoria técnica necessários à determinação, de forma definitiva, dos critérios básicos afetos à disposição no mar, dos esgotos da cidade do Rio de Janeiro, além da prestação de serviços de assessoria na elaboração, organização e execução de um projeto de treinamento de pessoal destinado à operação e manutenção de equipamentos, incluindo a elaboração de manuais de operação e manutenção de tais equipamentos.
Como resultado desses estudos, foi preparado um relatório sobre o sistema de lançamento submarino de esgotos do Rio de Janeiro e elaborado o respectivo projeto de execução, cujas características principais foram a eliminação das descargas existentes "in natura", ao pé do Pão-de- Açúcar e no Vidigal, e também de todas as elevatórias de esgotos da Zona Sul. Para isso, seria construído o interceptor oceânico de Copacabana e seriam executadas as obras de interligação do interceptor de Botafogo com o de Copacabana o que permitiria que todos os esgotos da Zona Sul do Rio de Janeiro fossem lançados através do emissário submarino de Ipanema, em mar aberto, num ponto a 3.400 m da costa, com remotas possibilidades de poluição das praias. E, também, a eliminação de todas as descargas existentes de esgotos "in natura" da Zona Norte - grandes contribuintes do grau de poluição da baía da Guanabara - mediante a construção do interceptor Norte e do lançamento submarino com ponto de partida na praia da Gávea.
A população esgotada pelo plano foi de 7.144.000 habitantes, para uma vazão de 27,7 m³/s. O emissário de Ipanema foi planejado com uma extensão de 3.874 m, diâmetro de 3,0 m, com vazão de 15 m³/s, em concreto armado, sendo a área atendida a de Copacabana e Botafogo.

Cliente: SURSAN (Atual CEDAE)
Local: Rio de Janeiro, RJ
Data: 1967-1969

NOTÍCIAS ENCIBRA